Quando o Techno era House – o impacto de Chicago no nascimento do Techno

techno
Stacey Hale, cortesia de Stacey Hale

Por: Jacob Arnold

Quase da noite para o dia, a House music se tornou uma oportunidade lucrativa de negócios e os artistas de Detroit perceberam

Jacob Arnold

Techno e House são amplamente considerados atualmente gêneros musicais distintos, mas no início, havia mais sobreposições do que qualquer um poderia imaginar. Enquanto os artistas de Detroit eventualmente desenvolveram seu próprio estilo, os Belleville Three ( Juan Atkins , Derrick May e Kevin Saunderson ) sempre reconheceram a influência de Chicago e o diálogo musical frutífero entre essas duas cidades do meio-oeste. (De acordo com Bill Brewster e Frank Broughton do DJ History , a compilação lançada em 1988 Techno !  The New Dance Sound of Detroit da 10 Records do Reino Unido, que definiu o início do gênero. seria originalmente intitulado The House Sound of Detroit .)

Ouça a playlist: Techno! The New Dance Sound Of Detroit (1988 10 Records) no link ou aqui abaixo.

As cenas de Chicago e Detroit tinham muito em comum no início dos anos 80. Após o declínio da Disco, DJs e promotores concorrentes em ambas as regiões realizaram festas onde adolescentes afro-americanos dançavam ao som da New Wave e dos discos importados de synth-pop. As duas cidades, com cerca de quatro horas de distância de carro, tiveram o privilégio de desfrutarem de personalidades tocando no rádio até tarde da noite, onde experimentavam formatos mais livres em estações tradicionalmente focadas em R&B. Ao mesmo tempo, DJs em clubes gays alcançaram um público cruzado de jovens heterossexuais intrigados por combinação de batidas e remixes inovadores.

Os primeiros registros eletrônicos em Detroit, “Sharevari” de 1981, de A Number of Names, e “Alleys of Your Mind”, de Juan Atkins e Rik Davis como Cybotron , são pré-datados dos discos House de Chicago, mas eles não abriram portas para outros artistas. A cena musical de Chicago foi igualmente lenta para começar, mas o sucesso repentino no exterior resultou em uma explosão de interesse.

A Number of Names – Sharevari – 1981

Cybotron – Alleys Of Your Mind – 1981

O primeiro grande sucesso da House music veio de JM Silk, de Chicago. “Music Is the Key”, lançado em setembro de 1985, vendeu cerca de 85.000 cópias apenas nos EUA, subindo para o 9º lugar na parada de Dance da Billboard, apesar da luta da gravadora DJ International Records em atender à demanda. No ano seguinte, JM Silk assinou com a RCA e a London Records e atingiu o número 1 na parada de singles do Reino Unido com “Jack Your Body”. Quase da noite para o dia, a House music se tornou uma oportunidade lucrativa de negócios e os artistas de Detroit perceberam.

J M Silk ‎– Music Is The Key (House Key) [1985]

STEVE “SILK” HURLEY – Jack Your Body (Original Mix) 1986

nascimento do techno
Steve “Silk” Hurley, Stacey “Hotwax” Hale, Jamie Principle and Keith Nunnally Courtesy of Stacey Hale

Um punhado de embaixadores não oficiais apresentou o som da House music de Chicago a Motor City (Detroit). A nativa de Detroit Stacey “Hotwaxx” Hale foi uma das primeiras DJs a tocar House music nas rádios, originalmente mixando para o programa do The Electrifying Mojo no WGPR. “Chicago é como minha segunda casa. Sempre foi, ”Hale explica. “Eu ia lá e carregava discos da DJ International Records e da Trax Records e trazia todos esses discos para tocar em casa.”

Hale sempre foi atraída por novas músicas. Aos 16 anos, ela começou a gravar fitas cassete de dance music mixada para festas no porão. Uma visita ao Chessmate em Detroit, onde os pioneiros Ken Collier, Duane Bradley, Renaldo White e Morris Mitchell tocavam conseguiu pela primeira vez, fazer uma mixagem ao vivo. (Em uma entrevista de 1995 com Terrence Samson, Ken Collier descreveu o DJ Frankie Knuckles no Warehouse em Chicago como sua inspiração.)

Aos 17, Hale comprou equipamento de DJ e aprendeu sozinha a mixar, levando-a a tocar no Circus Lounge e no Club Hollywood. Ela venceu a competição WJLB Motor City Mix em abril de 1985, incluindo a primeira faixa House de Chicago, “On and On” de Jesse Saunders e Vince Lawrence, em seu set. A vitória de Hale a levou a ser DJ no famoso programa de Dance da TV de Detroit, The Scene , e a tocar como DJ para as rádios WLBS, WJLB, WHYT e WDRQ, sem falar em tocar em casas noturnas de Detroit como The Lady, Studio 54, Cheeks e The Warehouse. Hale mais tarde trabalharia em faixas undergrounds com seus amigos Steve Hurley e Keith Nunnally de JM Silk e criaria seus próprios remixes.

Jesse Saunders e Vince Lawrence On and On – 1984

Derrick May, de Detroit, foi exposto à embrionária cena House de Chicago enquanto visitava sua mãe no início dos anos 1980. May ouviu programas nas rádios WBMX e WGCI, onde DJs tocavam músicas do Italo como “Feel the Drive” do Doctor’s Cat. “Quando eu ouvi essa parada, foi como um farol. Era como um barco salva-vidas ”, descreve ele em uma entrevista com Bill Brewster e Frank Broughton.

DOCTORS CAT – FEEL THE DRIVE -1983

Derrick trouxe a Detroit discos de Italo conseguidos em Chicago para incorporar em seus sets de DJ. “Isso é o que me deu minha vantagem”, explicou ele. A equipe da principal loja de discos de Chicago, a Importes Etc, contou a May sobre a Power Plant e o Music Box . No primeiro, ele ouviu Frankie Knuckles tocar canções inéditas do Jamie Principle com edits feitos em fita de rolo, no método bobina a bobina (reel to reel). No último, o poder bruto de Ron Hardy o inspirou: “Isso mudou minha vida”, diz ele a Brewster e Broughton na citada entrevista. “Ele pintou de forma simples: está tudo na sua alma. O que quer que você sinta, apenas deixe sair.”

No início dos anos 1980, Derrick May tentou contar a Juan Atkins sobre a House music de Chicago, mas de acordo com May (conversando com Brewster e Broughton), “Juan não ligava para Chicago – ele pensava que toda a cena da House music de Chicago era só gay. Ele não estava com ela de forma alguma.” Mesmo assim, em 1985, May levou os discos do model 500 de Atkins a Chicago para promovê-los, levando muitos de seus amigos, incluindo os fundadores do principal club de Detroit, o Music Institute. Alton Miller, George Baker e Anthony Pearson (também conhecido como Chez Damier) foram levados em viagens regulares para a Music Box. May trouxe Kevin Saunderson para a Music Box também. A experiência inspirou “Bounce Your Body To The Box”, que Saunderson criou com Santonio Echols.

Reese & Santonio Bounce Your Body To the Box – 1988

Santonio Echols foi criado em Detroit. Quando criança, ele participava das festas Direct Drive e Charivari, admirando as habilidades de DJ como Eddie Fowlkes, Steve Dunbar, Ken Collier e Jeff Mills. O próprio Echols começou a mixar aos 18 anos, citando influências musicais como Juan Atkins, Kraftwerk, George Clinton, George Duke e James Brown. A ruptura de Echols veio, indiretamente, quando seu irmão gêmeo entrou para a mesma fraternidade de Kevin Saunderson na Eastern Michigan University. Uma noite, Echols contribuiu com seus alto-falantes que foram danificados nessa festa. Saunderson disse que iria compensá-lo ajudando-o a fazer música, e Reese & Santonio nasceu.

Echols compôs as partes da bateria de “How To Play Our Music” em seu próprio equipamento, depois a dupla completou a faixa no estúdio caseiro de Saunderson. Com sua distinta linha de baixo, armadilhas double-time e um vocal cativante, “How To Play Our Music” de 1987 é uma faixa crossover de House / Techno fundamental.

Reese & Santonio (Kevin Saunderson) – How To Play Our Music – 1987

Os singles seguintes de Echols e Saunderson em 1988, “Bounce Your Body To The Box” e “Force Field”, foram ambos grandes álbuns em Chicago. “Nós dirigimos para Chicago e, assim que chegávamos em Indiana, começávamos a mudar para GCI, BMX, e eles estavam tocando as duas faixas nas duas estações” lembra Echols.

techno detroit
Rick Wilhite, cortesia de Rick Wilhite

A Buy Rite Music, inaugurada por Cliff Thomas em 1980, foi uma das poucas lojas de disco em Detroit a vender uma ampla variedade de House music de Chicago. Rick Wilhite, de 15 anos, usava o nome de DJ DOC quando começou a trabalhar lá meio período em 1985. “O proprietário queria um DJ que pudesse mixar a música e dar um exemplo do que você poderia fazer”, Wilhite lembra. “Porque House era um gênero de música totalmente novo.” De acordo com Wilhite, os discos de Chicago venderam bem em Detroit. Entre os maiores sucessos em 1985 e 1986 estavam “Jack Trax” de Chip E., “No Way Back” de Adonis, “Washing Machine” de Mr. Fingers e “Give Your Self to Me” de Farley “Jackmaster” Funk.

Quando Derrick May começou a fazer música, seu objetivo era criar discos que Farley Funk, Ron Hardy e Frankie Knuckles tocariam, já que ele sabia que um disco de sucesso em Chicago poderia vender milhares de cópias. Ele teve sucesso em 1987 com “Nude Photo” e “Strings Of Life” em seu próprio selo, Transmat.

Rhythim Is Rhythim – Nude Photo (1987)

Rhythm Is Rhythm – Strings Of Life – 1987

Thomas Barnett tinha apenas 18 anos quando ele e May criaram “Nude Photo”. Barnett trabalhava como segurança em um prédio onde Chez Damier era vendedor de pager. Uma noite, Damier ouviu Barnett tocando uma fita com a música de sua banda e se ofereceu para apresentá-lo a Juan Atkins. Barnett pagou pelo tempo de estúdio, então se viu com Damier no apartamento de May “em uma área ruim da cidade” com todo o seu equipamento no chão. “Nude Photo” nasceu.

“Chicago, no início de 1987, estava dominando o mundo com o novo som club”, explica Barnett. “Não existia um gênero chamado Techno ainda. Havia House, e Acid House estava apenas começando a crescer. ‘Nude Photo’ foi categorizado como Acid House na época ”.

Acid House foi a ponte que conectou os estilos em desenvolvimento de Chicago e Detroit, como evidenciado no EP All for Lee-Sah do nascido em Chicago, K-Alexi Shelby no selo de Detroit, Transmat, que varia da faixa-título sexy e borbulhante a sons sintetizados despojados e pesados ​​em “My Medusa.” Shelby descreve o último como “pura crueza”, explicando: “Não é nada além de 303 e o 606,” mas o 303 foi executado por um dos antigos pedais de efeitos de Farley.

K. Alexi Shelby – All For Lee-Sah (Transmat 1989)

K. Alexi Shelby – My Medusa (1989)

Shelby, que quando criança costumava entrar furtivamente na Music Box para ouvir Ron Hardy, conheceu Derrick May através de um amigo na loja Importes Etc. Na época, Shelby estava morando com Mike Dunn, Marshall Jefferson e Bam Bam. Por meio de pseudônimos como Risque III e Club MCM, Shelby explorou o lado mais difícil do House. “O material dele no Transmat é claramente Techno”, afirma Wilhite. “Está tudo frio.”

São inúmeros os exemplos de faixas produzidas em Chicago com o som que viria a ser conhecido como Techno, principalmente em selos underground como Dance Mania, Saber Records, Chicago Underground, Muzique, Future Records, House Nation e Target. Os lançamentos de Larry Heard como Gherkin Jerks e The Housefactors estavam especialmente à frente de seu tempo. No final dos anos 80, havia simplesmente mais produtores e gravadoras de Chicago do que de Detroit, resultando em uma gama mais ampla de estilos.

“Para mim, há apenas dois tipos de música”, proclama Thomas Barnett. “Há coisas de que você gosta e outras de que não gosta. Há um milhão de nomes diferentes. Eu acho que isso é mais para a Academia e para jornalistas escreverem e explicando, porque de que outra forma você explicaria algo além de ouvir? ”

Juan Atkins astutamente reconheceu a necessidade dos artistas de Detroit estabelecerem sua própria identidade.

Jacob Arnold

Às vezes, Juan Atkins recebe o crédito por inspirar a House music, mas nas primeiras entrevistas, Atkins confessou que também foi influenciado por Chicago. “Comecei com a coisa eletrônica … então o rap veio forte, mas era muito lento para mim e comecei a pegar a música que estava saindo de Chicago”, disse Atkins a Jonathan Fleming em What Kind of House Party Is This?  “Eu e meus amigos, Derrick May e Kevin Saunderson, pegamos aquele sabor e colocamos o sabor de Detroit em cima dele, que era como o Techno.”

Então, como o Techno se tornou associado a faixas instrumentais pesadas e o House com faixas mais lentas e amigáveis ​​aos vocais? De acordo com Derrick May, Juan Atkins lançou o termo “Techno” aos jornalistas do Reino Unido Stuart Cosgrove e John McCready, e eles o seguiram.

Atkins astutamente reconheceu a necessidade dos artistas de Detroit estabelecerem sua própria identidade. No final das contas, ele recuperou a música eletrônica de Detroit, afastando-a de sua relação com o House e voltando para a visão fria e futurista que ele e Rik Davis estabeleceram com seus primeiros discos do Cybotron. Produtores subsequentes, como Underground Resistance e Drexciya levaram os conceitos de Atkins ainda mais longe, evitando as raízes abertas da música House.

Desde o final dos anos 80, a dance music se dividiu em incontáveis ​​subgêneros especializados, com rótulos que podem ser controversos e confusos. O estabelecimento do termo “Techno” serviu para um propósito, mas é importante não reescrever a história. Sempre houve DJs e produtores de Detroit inspirados por artistas de House e de Chicago cujo som poderia ser rotulado de Techno, provando que o fluxo aberto de ideias transcende fronteiras artificiais.

Posted in

Equipe TUNTISTUN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Como posso te ajudar?