Dando Close com a Vapø_r

vapø_r
Foto: Victor Diniz

Hoje vamos dar um close com uma das festas mais fervidas da cidade, que nos últimos anos vem trazendo muitas novidades e atitude para a noite de Brasília, os convidades de hoje são da Vapø_r!

Foto: Pedro Lacerda

[TUNTISTUN] E aí galera da Vapø_r, tudo bem? vamos falar do coletivo?

Agradecemos vocês mais por esse trabalho super importante e pela oportunidade de dar esse close!

[TUNTISTUN] O coletivo tem se destacado nos últimos anos com grandes festas, quais momentos dessas festas ficaram na memória e que entraram para a história do coletivo?

WEIRDO: Já na 1ª festa, no galpão da Corina, tudo foi muito emblemático pra nós. Desde a gente carregando banheiro químico, até a hora da pista acontecer. De lá pra cá, foram tantos momentos inesquecíveis! Vale colocar o set da Lena Wilikens num lugarzinho especial, foi uma daquelas festas que dão orgulho de ter feito… outra: uma foto icônica do Ahmed em b2b com a Amanda Mussi abençoando a pista, com a parede da Igreja Universal ao fundo, que virou meme nacional. Trouxemos a Volvox depois de uns 4 anos tentando (e valeu a pena), apresentamos showcases da Capslock, ODD e Mamba, tocamos no Bananada (GO), trouxemos o Teto Preto pela 1ª vez pra BSB, conseguimos colocar muites artistas do front e do backstage pra esbanjar talento, DJs, dançarines, cenógrafes, performers… também somos muito felizes por conseguirmos alcançar os papos com o “E Brasília?”. Acho que uma que vale destacar pra finalizar, foi a 2ª Vapø_r, no Flutuante Laguna: uns dias antes da festa, uma chuva levou o barco pra baixo da ponte! Aquele sufoco que só quem tá por trás de evento passa. Mas tudo foi resolvido e a festa foi demais!

Foto: Pedro Lacerda

[TUNTISTUN] O coletivo passou de um momento que estava vivendo seu auge para a chegada da pandemia, não deve ter sido fácil passar por esse momento de angústia, ficaram alguns aprendizados?

KeylerO: Realmente vivíamos um momento repleto de possibilidades e bastante ativo principalmente no que diz respeito a produção de eventos. Nomes locais em ascensão, outros já consolidados, nomes nacionais e internacionais. Independente da origem, tínhamos um desenho bem rico quanto aos artistas que se apresentariam na próximas festas semanas antes da pandemia se concretizar.

Apesar da frustração inicial, rapidamente entendemos a dimensão dessa crise sanitária mundial e buscamos nos adaptar ao contexto e se relacionar com o nosso público de uma forma que pudéssemos acrescentar algo positivo na sociedade nesse momento tão difícil. Daí surgiram diversas outras possibilidades no mundo virtual. Realizamos o E Brasília? – iniciativa que trouxe um olhar para o mercado local durante a pandemia. Tivemos uma live com a Preta sobre o processo de embranquecimento da Música eletrônica – tema do seu trabalho de conclusão do curso de comunicação social na UNB. Os artistas do projeto foram convidados para se apresentarem em diversas festas, projetos virtuais, entrevistas, além da execução da Live da Vapø_r no famigerado Beco da Cal. Mais recentemente também produzimos uma série de eventos menores na Birosca a medida que a vacinação avançou.

Por fim, mas não menos importante e como forma de apoiar parte da engrenagem que faz a festa girar, realizamos a Galeria Fervo na Infinu – exposição com obras clicadas nos nossos eventos por diversos fotógrafos e emolduradas para venda como forma de remunerar nossos parceiros durante a pandemia.

Vapø_r
Foto: Pedro Lacerda

vapø_r
Foto: Eliza Carvalho

[TUNTISTUN] E agora vocês estão fazendo um evento no sábado dia 18 de dezembro no Conic, Vai ser a primeira vez que a Birosca vai usar novamente o Sub Dulcina, como vai ser isso? Conta pra gente como vão ser essas duas pistas?

PRETA: Chegamos pra matar a saudade! Com o objetivo de dividir o público e evitar as aglomerações, decidimos realizar essa edição no formato duas pistas. A transitação entre elas é livre, naturalmente, mas o objetivo é achar formatos de festas que sejam compatíveis com o momento que estamos vivendo, levando em consideração a nossa responsabilidade, além da oportunidade de apresentarmos sons diferentes em cada pista para entendermos como o nosso público está consumindo música atualmente.

Vapø_r
Foto: Pedro Lacerda

[TUNTISTUN] E o que vocês estão imaginando de perspectiva do cenário dos eventos na cidade com esse retorno, vamos voltar ao ponto que paramos? Como vocês imaginam o ano de 2022, muitos projetos engatilhados?

TONNY: Ano de 2022, será um ano bem intenso, estamos prevendo um novo ciclo onde iremos não voltar ao ponto que paramos pois nunca paramos na realidade, durante a pandemia atuamos de formas novas e concentradas nas ações online. Iremos seguir com os trabalhos de forma mais intensa tentando viabilizar mais encontros e ocupando novos espaços da cidade. Temos um planejamento intenso com muitas possibilidades de atuar tanto de forma física como online em caso de necessidade.

Vapø_r
Foto: Fernanda Coutinho

Posted in

Equipe TUNTISTUN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Como posso te ajudar?